MULHER

PROTAGONISMO NO CENÁRIO MUNDIAL NA LUTA POR IGUALDADE E LIBERDADE

Autores

Resumo

A elaboração do Artigo Acadêmico teve como ponto de investigação acadêmica, a atitude em que está sendo tratada a mulher atualmente no cenário nacional. A pesquisa trata da luta da mulher, dentro dos fatos históricos primitivos e perpassa pela História Antiga, medieval, moderna e contemporânea em conquistar cada vez mais espaço dentro da sociedade, não ter a injusta fama de ser o gênero frágil dentro de uma sociedade. Mostrar como são tratadas de forma injusta no campo do trabalho, no meio social por quem entende que o gênero feminino humano ainda é um objeto figurante em um legado que mostra ao contrário dentro de uma perspectiva no percurso do tempo. A pesquisa foi de cunho bibliográfico, com reflexo de livros sobre o tema em que a mulher é o ponto central do discussão.

Biografia do Autor

Antônio Carlos Coqueiro Pereira, IEKS - Instituto de Educacion Superior Kyre`y Saso

Professor de escola pública da Prefeitura Municipal de Barra da Estiva – BA. Mestre em Gerência e Administração de Políticas Culturais e Educacionais pelo Instituto de Educacion Superior Kyre`y Saso – IESKS; Graduado em Letras-Português/Inglês; Graduado em Pedagogia; Pós-graduado em Psicopedagogia Institucional e Clínico; Pós-Graduado em Gestão Escolar. 

Referências

BIBLIA SAGRAGA. Livro do Gênesis. Disponível em: https://letras-lyrics.com.br/PDF/Biblia/Biblia-Genesis.pdf. Acesso em 12 jan. 2022.

DANTE, F.C.S.O. As mulheres na revolução francesa. Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI. Maiêutica - Curso de História, 2013.

DIAS, M. F. N. Ser mulher na idade média. T.E.X.T.O.S DE H.I.S.T.Ó.R.I.A. Revista do Programa de Pós-graduação em História da UnB., 5(1), 82–91, 2011. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/textos/article/view/27754. Acesso em 12 jan. 2022.

LANGER, J. & AYOUB, M.L. Desvendando os vikings: estudos de cultura nórdica medieval. Johnni Langer, Munir Lutfe Ayoub (Orgs.). – João Pessoa: Ideia, 2016. 218p.

LAZZARATTO, G. Que ela possa reger as duas terras, que ela possa conduzir todo o vivente” – Uma análise da teogamia de Hatshepsut como Filha de Amon. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Curso de História - Licenciatura. Porto Alegre, 2016.

PIRES, H. Os vikings em Portugal e na Galiza. Sintra: Zéfiro, 2017. P. 253

SAFFIOTI, H. I.B. O poder do macho / Heleieth I.B. Saffioti. -- Sao Paulo: Moderna, 1987.

SOUSA, A.F. A mulher-faraó: representações da Rainha Hatshepsut como instrumento de legitimação (Egito Antigo - século XV a.C.) 2010. 2010. 173f. Dissertação (Mestrado em História)- Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-05-27

Como Citar

Pereira, A. C. C. . . (2022). MULHER: PROTAGONISMO NO CENÁRIO MUNDIAL NA LUTA POR IGUALDADE E LIBERDADE. Colóquios - Geplage - PPGED - CNPq, (3), p.173-183. Recuperado de https://www.anaiscpge.ufscar.br/index.php/CPGE/article/view/1037

Edição

Seção

COMUNICAÇÕES ORAIS: EIXO 4 - EDUCAÇÃO BRASILEIRA: RECORTES HISTÓRICOS