RITO TRANSFORMA? VIDA ESTUDANTIL E TRANSIÇÕES NA UNIVERSIDADE

OLHARES A PARTIR DA MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL

Autores

Palavras-chave:

Ritos de passagem, Vida universitária, Mobilidade acadêmica internacional

Resumo

Pensamos a mobilidade acadêmica internacional na perspectiva das experiências que participam da formação do estudante. E, por esta razão, acreditamos que o ingresso na mobilidade é um ritual de iniciação, de passagem, uma ruptura em relação ao passado. Cumprir o ritual da mobilidade significa ser aceito, fazer parte de algo muito maior, ser legitimado como membro da esfera internacional do mundo acadêmico. Este trabalho é parte dos estudos desenvolvidos para a elaboração da tese “Novos itinerários, horizontes e fronteiras: as transições desenvolvimentais dos estudantes em mobilidade acadêmica internacional” que apresenta reflexões sobre a formação discente construída nas vivências de estudantes que participam de programas de mobilidade acadêmica internacional. Numa perspectiva interdisciplinar, partimos de uma abordagem interacionista e compreensiva, e deste modo, este estudo teórico e reflexivo, assume um caráter exploratório e baseia-se, fundamentalmente, em recursos bibliográficos.

Biografia do Autor

Karla Maria Lima Figueiredo Bené Barbosa, UFBA - Universidade Federal da Bahia

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia – (UFBA).

Sônia Maria Rocha Sampaio, UFBA - Universidade Federal da Bahia

Doutora em Educação. Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia – (UFBA).

 

Referências

ANDRADE, A. M. J.; TEIXEIRA, M. A. P. Adaptação à universidade de estudantes internacionais: Um estudo com alunos de um programa de convênio. Revista Brasileira de Orientação Profissional, n.10, v.1, p. 33-44, 2009.

BERNHEIM, C. T.; CHAUÍ, M. Desafios da universidade na sociedade do conhecimento: cinco anos depois da Conferência Mundial sobre Educação Superior. Brasília: UNESCO, 2008.

BORGES, P.R. O declínio dos ritos de passagem e suas consequências para os jovens nas sociedades contemporâneas. São Paulo: Senai Editora, 2013.

CASTRO, A. A.; NETO, A. C. O ensino superior: a mobilidade estudantil como estratégia de internacionalização na América Latina. Revista Lusófona de Educação, n. 21, p. 69-96, 2012.

COULON, A. A condição de estudante: a entrada na vida universitária. Tradução: Georgina Gonçalves dos Santos, Sônia Maria Rocha Sampaio. Salvador: Edufba, 2008.

GACEL-AVILA, J. The Internalization of Higher Education: A Paradigm for Global Citizenry. Journal of Studies in International Education, New York, v. 2, p.121-136, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1028315304263795 . Acesso em: 02 fev. 2019.

GENNEP, A.V. Os Ritos de passagem: estudo sistemático dos ritos da porta e da soleira, da hospitalidade, da adoção, gravidez e parto, nascimento, infância, puberdade, iniciação, coroação, noivado, casamento, funerais, estações, etc. Tradução de Mariano Ferreira. 4ª edição. Petrópolis: Vozes, 2013.

GUIMARÃES, M.S.F.; SILVA, L.R. Conhecendo a Teoria das Transições e sua aplicabilidade para enfermagem. Rio de Janeiro, RJ, 2016. Disponível em: https://journaldedados.files.wordpress.com/2016/10/conhecendo-a-teoria-das-transic3a7c3b5es-e-sua-aplicabilidade.pdf. Acesso em: 07 mar.2021.

MARTINEZ, C. A. F. ¿Por qué Chile? Un análisis post crítico sobre los discursos de escala en la movilidad académica internacional. Revista Educação, Porto Alegre, v. 42, n. 1, p. 117-126, 2019. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/30148/17871. Acesso em 07 out 2020.

MATTA, R. Apresentação. In: GENNEP, Arnold Van. Os Ritos de passagem: estudo sistemático dos ritos da porta e da soleira, da hospitalidade, da adoção, gravidez e parto, nascimento, infância, puberdade, iniciação, coroação, noivado, casamento, funerais, estações, etc.Tradução de Mariano Ferreira. 4ª edição. Petrópolis: Vozes, 1977. pp. 9-20.

MATTA, R. Carnavais, malandros e heróis, para uma sociologia do dilema brasileiro. 6ªed.Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

MURPHY-LEJEUNE, E. L’etudiant européen voyageur: um nouvel étranger. Paris: Didier, 2013.

OLIVEIRA, G. M. B.; SILVA, R. M. A experiência de afiliação entre estudantes universitários de origem popular: primeiros achados. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE SOCIOLOGIA DA UFS, 2., 2018, São Cristóvão, SE. Anais [...]. São Cristóvão, SE: PPGS/UFS, 2018. Disponível em: https://ri.ufs.br/handle/riufs/13005 . Acesso em: 15 jan. 2020.

PAIS, M. A juventude como fase da vida: dos ritos de passagem aos ritos de impasse. Revista Saúde Soc. São Paulo, v.18, nº3, p.371-387, 2009.

QUIROGA, S. R. Alunos e Internacionalização: Mobilidade Estudantil nos Processos de Internacionalização. Revista Internacional de Educação Superior. Campinas, SP, v.6, p.1-14, 2020.

SANTOS, A. P. dos; DIAS, H. G. Mobilidade acadêmica em perspectiva: experiências da Universidade Federal de Ouro Preto. Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, Florianópolis, p. 172-187, jan. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/gual/article/view/1983-4535.2012v5n4p172. Acesso em: 24 mai. 2019.

STALLIVIERI, L. Internacionalização e Intercâmbio: Dimensões e Perspectivas. Curitiba: Editora Appris, 2017.

TURNER, V. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Editora Vozes, 1974.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-05-27

Como Citar

Barbosa, K. M. L. F. B. ., & Sampaio, S. M. R. (2022). RITO TRANSFORMA? VIDA ESTUDANTIL E TRANSIÇÕES NA UNIVERSIDADE : OLHARES A PARTIR DA MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL. Colóquios - Geplage - PPGED - CNPq, (3), p.209-217. Recuperado de https://www.anaiscpge.ufscar.br/index.php/CPGE/article/view/1013

Edição

Seção

COMUNICAÇÕES ORAIS: EIXO 5 - EDUCAÇÃO SUPERIOR